was successfully added to your cart.
Category

Uncategorized

IAD entrevista Ana Paula Surita: Nutrição

Ana Paula Surita é graduada em Nutrição, pela Universidade Católica de Brasília (2007), e pós-Graduada em Nutrição Clínica Funcional, pela VP Consultoria Nutricional (2009). É instrutora de Yoga com certificação pela Aliança do Yoga (2008). Desde 2008, é também empresária, proprietária e administradora da clínica Bem Estar Espaço Vida, parceria do IAD.

Confira, na entrevista abaixo, dicas e reflexões da Ana sobre a área de Nutrição e suas relações com o Yoga.

IAD: A partir de uma visão holística, como podemos compreender o estudo e a aplicação da Nutrição.

Em se tratando da Nutrição como ciência, o holístico se correlaciona ao fato de que a alimentação não deve ser baseada em contagem de calorias, apenas. Mas, sim, tendo em vista diversos aspectos relativos ao alimento, à natureza e ao corpo humano. Por exemplo, devemos observar a origem desse alimento (se é orgânico ou não); se o alimento é fresco ou conservado e se reage como potencial agressor das células, como quando pode causar alergias e inflamações; se tem poder pró-oxidante; qual o processo de produção desse alimento e o que se utilizou nesse processo (como produtos químicos); e qual impacto ambiental na produção desse alimento. Devemos observar, em paralelo a esses pontos, como está a saúde gástrica, intestinal e tudo que pode influenciar nos processos de digestão, absorção e excreção dos alimentos e nutrientes no indivíduo.

Além do que, o ser humano não se nutre apenas por nutrientes em si, mas, também, pelo que ele assimila em nível mental/intelectual, em nível emocional, físico e vital. Esses aspectos se relacionam entre si na condição da saúde e bem-estar. No nível físico, por exemplo, atividade física, respiração e controle do estresse se somam à alimentação.

IAD: Você é instrututora de Yoga e nutricionista e tem buscado integrar esses dois universos no seu trabalho. Como a Nutrição pode auxiliar o estudo e a prática do Yoga?

Bem, eu diria que a prática de Yoga é capaz de nos proporcionar uma percepção de nossa natureza e das nossas necessidades de maneira muito coerente, o que nos direciona a querer cultivar hábitos que possam fortalecer nossa vitalidade e disposição. Particularmente, eu acredito que nos oferece uma capacidade e vontade de buscar mais equilíbrio, incluindo na alimentação.

Não que exista uma receita universal para todos em igual, acho que cada pessoa pode perceber aquilo que te faz ou não faz bem. A prática de Yoga auxilia para que as escolhas sejam feitas com mais consciência, até mesmo quando a escolha não for tão ideal, pode haver um olhar consciente, num processo de autoconhecimento e auto-observação, dia a dia. Por outro lado, quando praticamos Yoga, que é uma prática que purifica o corpo, que vai nos mostrando o quanto nos sentimos confortáveis em nosso corpo, por meio dos movimentos de força, equilíbrio e flexibilidade, uma alimentação balanceada e que melhore a vitalidade, poderá contribuir nos resultados que a prática pode proporcionar.

IAD: Indo além da alimentação e a partir de uma visão de saúde integral, o que mais nos nutre enquanto seres humanos?
Acredito que o equilíbrio dinâmico da nutrição dos aspectos vital, físico, emocional e mental irá proporcionar plenitude. Quando esses aspectos estão bem equilibrados, surge mais um aspecto, que também podemos perceber, que é a dimensão espiritual, que complementa a nutrição humana.

E digo dinâmico porque a vida é dinâmica, nós estamos em constante transformação e sempre surgem novos aprendizados e desafios, novas necessidades. Por isso, o interessante é estar consciente e atento de como estamos nos sentindo, cada dia, em cada aspecto, para buscar as estratégias de se reequilibrar, de maneira contínua e constante. Isso é viver. A saúde não é literalmente uma dádiva, pois depende de conquista, deve ser cultivada diariamente.

IAD: A alimentação é também um aspecto cultural. Como você vê a nutrição do brasileiro em relação aos nossos alimentos típicos?

Sim, com certeza.  No geral, hoje em dia, com a globalização, até mesmo a população mais carente aderiu muito aos alimentos industrializados, como refrigerantes e biscoitos. Muitas vezes há um excesso de açúcar, gordura hidrogenada, óleos refinados, sal, carboidratos refinados. Isso é muito lamentável e podemos ver pelos dados do Ministério da Saúde que a obesidade e doenças correlacionadas, como diabetes e hipertensão, cresce a cada dia.

Bem, quanto à alimentação típica, depende muito de cada região, que tem suas características bem variadas. No sul, por exemplo, eu considero que há um certo exagero no consumo de carne vermelha; no norte, temos o açaí que é maravilhoso; no nordeste, inhame e cará no café da manhã, o que é bem melhor do que pão, por exemplo. Cada região tem características bem diferentes. Mas, o bom prato de arroz com feijão, com moderação, e tendo uma variedade de vegetais, complementa bem a dieta. Mas vejo que é preciso ter uma dieta variada e colorida dia a dia, só o arroz com feijão e carne pode não ser tão nutritivo em termos de micronutrientes, por exemplo, vitamina C, vitamina A, betacaroteno e vitamina D, elementos essenciais para o metabolismo e equilíbrio geral do organismo. Vejo que muitas vezes a dieta dos brasileiros pode apresentar uma grande quantidade de calorias, mas nem sempre ser rica em vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes.

IAD: A má alimentação é um dos grandes causadores dos distúrbios de saúde na vida moderna e urbana? Em que erramos enquanto sociedade?

Acredito que um dos piores fatores relacionados ao meio urbano é o estresse, que debilita muito o organismo, associado à falta de exercício, ao excesso de açúcar, sal, processados com químicos cancerígenos, uso de agrotóxicos que empobrece os solo e, consequentemente, os alimentos que nos envenena, e a poluição ambiental, que nos coloca em contato com metais tóxicos que se acumulam no organismo. Tudo em pró do consumo. Acho que o estresse, a falta de tempo de olhar para nossa natureza interior, a falta de observar que somos todos dependente da natureza, a falta de respeito pela natureza e o consumismo, em conjunto, são grandes causadores dos distúrbios.

IAD: Como a nutrição auxilia desarmonias físicas e emocionais como ansiedade, depressão entre outros?

A nutrição tem a capacidade de oferecer ao corpo os nutrientes capazes de regenerar o tecido cerebral, os nutrientes que fazem as sinapses (conexões neurais), favorecendo a atividade da mente. Pode também equilibrar todas as funções hormonais, o que oscila na presença do estresse da vida moderna. Porém, para o equilíbrio da saúde, em geral, é preciso outros fatores. Acredito que, para buscarmos saúde e qualidade de vida, precisamos nos questionar quanto ao estilo de vida inconsciente, sendo necessário o cultivo de bons hábitos, que acabam por se traduzir em comportamentos disciplinados e conscientes na rotina diária. Esses hábitos envolvem:

  • atitude positiva baseada na amorosidade e empatia nos relacionamentos com pessoas, consigo e com a própria natureza;

  • alimentação equilibrada e condizente com as necessidades humanas, com visão integrada à natureza;

  • atividade física frequente (aquela que você gosta de fazer, para fazer bem);

  • respiração consciente (oxigenação dos tecidos, geração de energia vital);

  • descanso e sono com qualidade;

  • quietude (concentração, atenção direcionada para o interior, meditação)

  • contato com a natureza (incluindo contato com a luz do sol, contemplação do meio ambiente ao ar livre e momentos de laser);

  • controle do estresse físico, mental e emocional (pode envolver todos os elementos acima, além de terapêuticas naturais, como técnicas de massagens, acupuntura e florais);

  • e, para quem se identifica, eu diria de maneira mais objetiva, praticar Ioga, pois esta prática já incorpora pelo menos 4 dos itens acima.

Se utilizamos dessas ferramentas, podemos estar mais presentes em nossos corpos, e isso nos dá condições para observarmos nossas ações e reações perante diversas áreas da vida. Isso amplia nosso olhar de como conduzimos nossa rotina para, então, seguirmos em uma direção positiva, com resultados benéficos, criando um verdadeiro sentido no viver.

IAD: A aplicação de uma boa nutrição requer uma efetiva reeducação alimentar. De forma prática, como podemos nos reeducar e aplicar uma nutrição adequada na vida cotidiana?

Em geral, comer vegetais crus em abundância, alimentação colorida, de preferência orgânica. Incluir, pela manhã, com certa frequência, suco verde. Incluir frutas e castanhas oleagenosas e sementes. Comer até 20h da noite, ou não comer muito perto da hora de ir dormir (pelo menos 2h de digestão). Dê sempre um descanso ao corpo, praticando o “jejum” de 12h, pelo menos, 2x por semana, por exemplo, jantar as 20h e tomar café da manhã às 8h da manhã. Evitar o consumo de açúcar e fritura. Não beber refrigerante. Evitar os alimentos refinados, industrializados e ultraprocessados.

IAD: Por fim, qual o seu entendimento sobre o que é saúde?

Saúde é um estado de vitalidade, disposição, bem-estar, plenitude e bem-aventurança.

IAD: E o que é a cura?

A cura é o reencontro com o equilíbrio nato!

 

CONSULTAS EM NUTRIÇÃO E AULAS DE YOGA

Ana Paula Surita realiza consultas de Nutrição na Bem Estar, espaço parceiro do Instituto Atmo Danai, localizado no Edifício Brasil 21. As aulas de Yoga são ministradas no mesmo espaço, às terças e quintas, das 7h15 às 9h e de 12h15 às 13h30.

Contato: 3039.9091 / bemestar@bemestarvida.com.br